Lídia Bantim

"Enquanto eu tiver perguntas e não houver respostas... continuarei a escrever." Clarice Lispector

Textos


ACALANTO


Dorme tranquilo, meu amor, enquanto
Pacientemente teu sono velo
Ouço feliz o ressonar singelo
Que me faz entoar um acalanto...

Dorme, querido, o meu amor é tanto
Que ao ver-te assim tão indefeso apelo
Para Morfeu, dos deuses o mais belo,
Que te envolva em seu divino manto...

Enlevo-me nesta visão tão doce
Percorrendo teu corpo, meu abrigo
Como se meu olhar treinado fosse

Para salvar-te de qualquer perigo
Pois, o doce deus do sono me trouxe
A doçura de acordar contigo!


Este soneto foi finalista no concurso internacional de poesia da Casa de Espanha - RJ 2014
Lídia Bantim
Enviado por Lídia Bantim em 28/07/2016
Alterado em 27/08/2016
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras