Lídia Bantim
"Enquanto eu tiver perguntas e não houver respostas... continuarei a escrever." Clarice Lispector
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
LinksLinks
Textos


DE PAPEL PASSADO

"As mulheres, durante séculos, 
serviram de espelho aos homens
por possuírem o poder mágico 
e delicioso de refletirem 
uma imagem do homem
duas vezes maior que o natural."
(Virginia Woolf)

 
 
Aos quinze anos, ela sonhava com um amor que a conduzisse à plenitude!
Apaixona-se por Solano e, de “de papel passado”, abandonou o emprego, tornou-se esposa.
Pronto: ― Agora, sou feliz! Sou uma mulher casada!
Nos primeiros meses, tudo era encantamento
Vieram os filhos, Luísa ganhou o papel de mãe...
Mas, sentia o peso da realidade sobre esse novo papel:
Solano não era mais o príncipe dos seus sonhos.
Ela se transformara apenas numa mulher de papel:
Não passeavam mais de mãos dadas,
Não fazia parte do mundo dele, dos planos dele,
Não era vista como um ser pensante, era somente a esposa, a mãe, a dona de casa...
Sozinha, sem amigos, sem emprego, Luísa quis voltar a ser ela mesma. Não havia, no entanto, para onde voltar...
Um dia, por acaso, conheceu Arthur e sentiu a vida soprar novamente a seu favor!
Lutou contra o próprio desejo para não se envolver, para não manchar o nome de Solano.
Tudo em vão! Luísa mergulhou na paixão sem colete salva-vidas! Feliz, ela pensava: “agora, eu tenho um amante!!!”
Alienada, transformou tudo em castelo de sonhos
Que homem doce, gentil, romântico!!!
Divorciou-se do marido e foi viver o conto de fadas!
Artur, pé no chão, não quis se casar novamente e ela achou ótimo!
Agora, sim, exclamava exultante:
— Sou mulher na vida de um homem, não sou esposa!
Saiu do papel para entrar na vida!
Um dia, Artur acordou diferente: não a beijava mais com o ardor de antes,
Não lhe trazia flores, não lhe escrevia poemas
Tampouco a elogiava... tornou-se ríspido, frio, mudo, distante, igual...
Luísa caiu das nuvens!
Sentiu-se estranha, vazia, sem um papel definido
Não era nem esposa nem  amante. Quem seria ela, afinal?
Então, olhou-se no espelho pela primeira vez!
Luísa viu a sua verdadeira face
E descobriu que não precisava de rótulos 
Para ser MULHER!



Imagem disponível em:
http://melodiaecia.blogspot.com.br/2013/08/o-espelho-pode-mentirele-nao-mostra.html
Lídia Bantim
Enviado por Lídia Bantim em 04/06/2017
Alterado em 08/06/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.